domingo, 9 de outubro de 2016

Ato em defesa da Constituição e da Democracia denuncia estado de exceção no país




O Salão Nobre da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Paraná foi palco, na noite de quinta-feira (6), de um grande ato reunindo juristas em defesa da Constituição e da Democracia. Para eles, os tempos estão mudando, assim como na famosa música de Bob Dylan. Mas, ao contrário da outra composição do músico, a resposta não virá dos ventos. Ela precisará ser soprada pelos atores sociais e cidadãos brasileiros.
O ato teve referências ao cantor folk e ao advogado Sobral Pinto. Também teve críticas e comparações com o atual cenário brasileiro recordando ditadores como Pinochet, Hitler e Mussolini. Mas, acima de tudo, à carta magna que completa 28 anos em outubro. “Não entendo que nossa constituição está morta. Nunca aceitei a ideia de que os ministros do Supremo Tribunal Federal fazem a Constituição. A Constituição somos nós. Ela é cidadã. Nós somos os guardiões da cidadania e da Constituição, não o STF. Ele é apenas um instrumento que essa Constituição prevê para dizer o que é direito. Ela é que nos une. Não vamos falar de forças progressistas, vamos falar de cidadãos. Nós que temos o dever de sermos fiéis a esta constituição”, afirmou o subprocurador geral da República e ex-ministro da Justiça, Eugênio Aragão, citando a Alemanha como exemplo. De acordo com ele, lá, há o compromisso tácito de que todos os cidadãos devem defender a carta magna de seu País. (...)
CLIQUE AQUI para continuar lendo (via Sul21).

Um comentário:

João Luiz disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.