segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Filme sobre Bin Laden: interrogatórios não incluíram tortura, afirma ex-diretor da CIA

As técnicas de interrogatório usadas com presos para localizar Osama bin Laden não incluíram atos de tortura, e não se pareceram, em nada, com as cenas do filme sobre a perseguição ao líder da Al-Qaeda, afirmou neste domingo o ex-diretor deste programa da CIA. "Ninguém ficou ferido ou foi agredido em consequência da aplicação das técnicas reforçadas de interrogatório que supervisionei de 2002 a 2007", afirma Jose Rodriguez em uma coluna publicada no "The Washington Post" sob o título "Sinto muito, Hollywood, não torturamos".

(...)

"Para dar uma simples bofetada no rosto de um preso, os oficiais da CIA tinham que obter uma autorização por escrito de Washington", afirmou. "Os presos tinham a possibilidade de cooperar. Se fossem reticentes - e havia razões para acreditar que eles escondiam informações importantes -, eram submetidos, com o aval de Washington, a técnicas reforçadas, como prisão pelo pescoço, privação do sono ou, em raras ocasiões, simulação de afogamento."



Texto completo no Correio do Povo

Um comentário:

zealfredo disse...

Podemos ficar tranquilos, "prisão pelo pescoço, privação do sono ou simulação de afogamento" não são tortura.