quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Promotoria quer investigar repasses do governo mineiro à rádio de Aécio Neves


O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) deve decidir nesta terça-feira, 26, se a Promotoria de Defesa do Patrimônio Público de Belo Horizonte poderá investigar repasses publicitários feitos pelo governo de Minas Gerais para a Rádio Arco-Íris, do ex-governador e atual senador Aécio Neves (PSDB-MG) e de sua irmã, Andrea Neves. O CNMP vai decidir se a competência é da Promotoria ou do procurador-geral de Justiça.
No ano passado, o coordenador de Defesa do Patrimônio de Belo Horizonte, João Medeiros, abriu inquérito civil para apurar se os repasses não ferem a Constituição. O inquérito foi aberto pelos deputados estaduais Rogério Correia (PT-MG) e Sávio Souza Cruz (PMDB-MG), que pedem para que sejam investigadas as transações feitas entre 2003 e 2010, informa a Agência Estado.  

A investigação, porém, foi cancelada pelo procurador-geral de Justiça, Alceu José Torres Marques, que assumiu o comando do inquérito e o arquivou no final do ano passado. A medida foi considerada ultrajante por Medeiros, que propôs para o Conselho Nacional uma “reclamação para a preservação da autonomia” do Ministério Público, pedindo a devolução do inquérito civil. 


Um comentário:

zealfredo disse...

Segundo a nota, Aécio teria seu próprio engavetador geral, no estado (de Minas Gerais)?