sábado, 23 de novembro de 2013

EUA não superaram assassinato de Kennedy até hoje, afirma historiador

Robert Dallek, da Universidade Stanford, explica em entrevista que a popularidade que ainda cerca JFK não se deve apenas aos seus feitos políticos. Para o biógrafo, várias promessas de 50 anos atrás permanecem em aberto.


Confira no Deustsche Welle.

Um comentário:

zealfredo disse...

Com relação ao Brasil, nada mudaria. O Golpe de 1964 que saiu quando Johnson governava teve o apoio de JFK desde o início.