segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Meritocracia à Aécio

Aos 17 anos, Aécio foi nomeado secretário de gabinete parlamentar na Câmara dos Deputados. Seu pai, Aécio Cunha, era deputado federal pela Arena.
Segundo o site da Câmara, Aécio permaneceu nesta posição até os 21 anos.
Há, aí, um fato intrigante: conforme perfil feito pela insuspeita revista Época, Aécio fazia faculdade no Rio no mesmo período em que era secretário de gabinete.
Algum jornalista se interessou em esclarecer essa suposta ubiquidade meritocrática?
Mundo imperfeito, mundo imperfeito.
Aos 23 anos, de volta a Minas depois da estada no Rio, foi nomeado assessor pelo avô, o governador Tancredo Neves. Como avós sempre encontram méritos nos netos, Aécio poderia hoje dizer que ganhou o cargo graças à meritocracia.
Tancredo morreria em 1985, pouco antes de tomar posse como primeiro presidente civil depois da ditadura militar. (Ele vencera, ao lado do vice Sarney, eleições indiretas.)
Com Sarney na presidência, Aécio deu um salto. Aos 25 anos, era diretor da Caixa Econômica Federal.
O que o candidato Aécio diria, hoje, de um neto de político indicado para uma diretoria da Caixa aos 25?

Leia o texto completo no Diário do Centro do Mundo

2 comentários:

Presidiário José Dirceu disse...

Com 25 anos Aécio trabalhava em banco, enquanto a Dilma com 25 assaltava bancos.

zealfredo disse...

Trabalhava é? Que nem ele fazia no gabinete do PAI DELE em Brasília, enquanto cursava a faculdade no Rio de Janeiro?
E qual a qualificação dele para ser diretor da Caixa com 25 anos de idade? A mais provável: neto de Tancredo Neves.

Mas falando em assaltos, não consta que Dilma tenha participado de ações armadas na organização guerrilheira de que participou.
Já o vice de Aécio, Aloysio Nunes Ferreira, sim, participou de ações armadas. Se não estou enganado, inclusive sequestro, em sua juventude.