quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Orlando Zaccone: autos de resistência legitimam extermínio como Política de Estado

Just: E como se fundamentava?
OZ: O fundamento basicamente tem a grande pergunta do auto de resistência: não como a polícia agiu, mas quem ela matou. Então, completada a figura do inimigo, isto é, o traficante de drogas, e esse fato ocorrendo dentro de favelas, de guetos, isso é colocado na escrita dos promotores de justiça como elementos a justificar a morte.
Just: O que isso significa?
OZ: Significa dizer que hoje existe uma política pública, uma política de Estado - não é uma política de governo, porque muda governo, muda partido e essa letalidade se mantém. Existe essa política de Estado, a qual contempla o extermínio de determinadas categorias de criminosos considerados perigosos no ambiente social, que recebe apoio de parcelas da sociedade - muitas vezes parte da mídia apoia. 

Confira no Justificando, via Jornal GGN.

Um comentário:

zealfredo disse...

Extermínio como política de estado.