sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

"A Dama de Ferro" relega política a segundo plano para humanizar Margaret Thatcher

É verdade que por ser uma pessoa polêmica, talvez fosse complicado para a diretora escolher quem ela iria mostrar. Para os britânicos mais conservadores, Thatcher foi um modelo de resistência que transformou o Reino Unido em uma nação próspera. Mas, geralmente lembrada por sua personalidade ambiciosa e cruel, é ainda sinônimo de uma pessoa que fazia cortes públicos constantes e nunca se preocupou com os pobres. "Ela aumentou as taxas e fez com que os ricos ficassem mais ricos e os pobres não importassem. Ela nunca ajudou os pobres, mas agora vendo o filme, com ela doente assim, eu chego a ter dó", disse Claire Tottin, de 82 anos, ao final da sessão. Christian Wolmar, escritor e especialista em transporte, autor dos livros "Engine of War e Blood", Iron and Gold, rebate: "É bobo, apolítico, nonsense. Ame ou odeie Margaret Thatcher, o filme não fala sobre política, e sim sobre envelhecer."


(...)


Fato é que não chega a ser ruim demais, porque o elenco ajuda. Mas sua audiência comprova que está longe de ser o que esperava e a verdade é que ele seria melhor aproveitado se veiculasse como uma série de televisão, em vez de longa. Para o professor de Políticas a Ciências Sociais da Universidade de Westminster, Richard Barbrook, assistir ao filme está fora de cogitação. "Para a gente, que viveu sob o regime Thatcher, essa mulher é um monstro que causou tantos danos ao País que, ainda hoje, ele não se recuperou totalmente. Eu não posso imaginar nada menos prazeroso do que sair de casa para assistir a uma produção hollywoodiana que quer me fazer simpatizar com ela. Mesmo depois de tantos anos, aquela voz arrogante ainda me causa enjoo", diz. O que os seus leitores precisam saber é que o seu partido impôs suas políticas neo-liberais mesmo conseguindo apenas 42% do voto popular.




Confira a crítica ao filme, no Opera Mundi

Um comentário:

zealfredo disse...

Sexta-feira.
A grande questão que fica é se a gente deveria ver o tal filme que tenta "humanizar" Mrs. Thatcher.