terça-feira, 19 de março de 2013

O Papa e os filhos de si mesmos

Mauro Santayana   

É significativo que o novo papa tenha falado tanto em perdão. Essa insistência coloca em dúvida a defesa que dele fazem diante das acusações de que teria colaborado com o regime militar argentino e com o sequestro de filhos dos militantes de esquerda, feitos prisioneiros uns e assassinados outros. Essas crianças, das quais roubaram a identidade, foram entregues a casais ligados ao sistema. Esse mesmo crime, com a hipócrita justificativa da caridade, foi também praticado pelos bispos espanhóis da Opus dei, durante o franquismo. Ao não conhecerem sua verdadeira origem, as vítimas dos sequestros se tornam filhos de si mesmos. Renegam, e com razão, os que os adotaram, e não têm onde ancorar o seu afeto.   


Vejam mais no JORNAL DO BRASIL

2 comentários:

Anônimo disse...

Mentiroso!

zealfredo disse...

Sr. Anônimo,
Xingar o blogue não resolve. Argumente.