sexta-feira, 5 de julho de 2013

O desafio imperial

Mauro Santayana 

Se tivéssemos alguma dúvida sobre o desprezo que nos concedem os países europeus — e que é compartilhado no outro lado do Atlântico Norte — ela estaria resolvida pelo desaforo cometido contra o presidente da Bolívia, Evo Morales, tratado como um indesejável pela França, Espanha, Itália e Portugal. E tratado também com insolência pela Áustria, que lhe concedeu pouso de emergência, mas o reteve em Viena por 17 horas, antes de autorizar o voo de retorno a La Paz.
Não foi só o presidente da Bolívia o desfeiteado no episódio.

Todos os latino-americanos, incluídos os cidadãos do México, foram atingidos pelo insulto. E não adiantam disfarces de esfarrapada diplomacia: para essa atitude contribuiu o sentimento racista que no fundo os anima. Somos mestiços — e isso basta. 

Vejam mais no JORNAL DO BRASIL

Um comentário:

zealfredo disse...

Citando do texto:

"A Convenção de Chicago, de 1944, que regula o tráfego aéreo (no caso de Morales, combinada com a Convenção de Viena sobre as relações diplomáticas) prevê que os aviões estrangeiros devem solicitar permissão de sobrevoo no território de qualquer nação, e que ela só pode ser negada em situações muito especiais, nenhuma delas poderia ser aventada pelos países que lhe negaram o direito de passagem."