sexta-feira, 9 de outubro de 2015

A rebelião das corporações públicas


Está em curso  uma rebelião nítida das corporações públicas contra a classe política, mas especificamente contra o governo Dilma.
As manifestações explodem em todas as frentes.
No Tribunal Superior Eleitoral (TSE) relatórios técnicos colocaram na classificação de falta grave a contabilização de trituradores de papel na categoria de bem de consumo não-durável por parte da campanha de Dilma Rousseff. Outras "faltas graves" da mesma natureza foram anotadas pelos técnicos a serviço do Ministro Gilmar Mendes.
Na Polícia Federal, qualquer delegado se julga com autoridade para convocar até ex-presidentes da República para depor. No Ministério Público Federal, qualquer notícia serve de base para representações de qualquer procurador  contra quem quer que seja.
No TCU avultam análises técnicas definindo como faltas graves operações usuais.
***
Trata-se de um fenômeno generalizado de perda de controle sobre a máquina, em função dos escândalos dos últimos anos e do trabalho pertinaz da mídia apoiando qualquer iniciativa, desde que seja a favor do impeachment.

Confira no Blog do Luís Nassif

Um comentário:

zealfredo disse...

A rebelião das corporações públicas.