terça-feira, 29 de novembro de 2011

Cuba lidera combate ao cólera no Haiti

Desde outubro de 2010, quando uma missão médica cubana detectou o primeiro caso de cólera no Haiti, a doença já atingiu mais de 476 mil pessoas -quase 5% da população- e causou 6.600 mortes, no que a ONU considera ser a maior incidência mundial da moléstia.
A missão cubana tem sido elogiada por permanecer na linha de frente do combate ao cólera, e por realizar um esforço ainda mais amplo para reconstruir o combalido sistema haitiano de saúde.
Paul Farmer, representante-adjunto da ONU no Haiti e cofundador da ONG Parceiros na Saúde, disse que os cubanos ajudaram a mobilizar autoridades dessa área e a reduzir a mortalidade por cólera. Mais do que isso: como o auge das mortes aconteceu em dezembro, e a atenção mundial se dispersou para outros assuntos, "metade das ONGs já foi embora, e os cubanos continuam lá".


Continue lendo nas o texto do The New York Times, reproduzido na Folha de São Paulo, e disponível no Colagens do Umbigo e da Mosca Azul.

Um comentário: